Coronavírus (COVID-19) - Recomendações para Mulheres e Gestantes

Veja quais as recomendações para evitar o contágio da doença e as complicações em você, sua família e seus bebês recém-nascidos

O que posso fazer para me proteger e evitar transmitir para outras pessoas?


A maioria das pessoas infectadas experimenta uma doença leve e se recupera, mas pode ser mais grave para outras pessoas. Mantenha-se informado sobre os últimos desenvolvimentos a respeito do COVID-19 e faça o seguinte para cuidar da sua saúde e proteger a dos outros:


Se possível use máscara ao sair de casa, que pode ser comprada (cirúrgica, industrial ou N95)ou improvisada com produção caseira (Tecido, TNT, absorvente, fralda, coador de café), caso não encontre para comprar

Lave as mãos com água e sabão ou higienizador à base de álcool para matar vírus que podem estar nas suas mãos.

Mantenha pelo menos 1 metro de distância entre você e qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando. Quando alguém tosse ou espirra, pulveriza pequenas gotas líquidas do nariz ou da boca, que podem conter vírus. Se você estiver muito próximo, poderá inspirar as gotículas – inclusive do vírus da COVID-19 se a pessoa que tossir tiver a doença.

Evite tocar nos olhos, nariz e boca. As mãos tocam muitas superfícies e podem ser infectadas por vírus. Uma vez contaminadas, as mãos podem transferir o vírus para os olhos, nariz ou boca. A partir daí, o vírus pode entrar no corpo da pessoa e deixá-la doente.

Certifique-se de que você e as pessoas ao seu redor seguem uma boa higiene respiratória. Isso significa cobrir a boca e o nariz com a parte interna do cotovelo ou lenço quando tossir ou espirrar , caso não esteja de máscara(em seguida, descarte o lenço usado imediatamente). Gotículas espalham vírus. Ao seguir uma boa higiene respiratória, você protege as pessoas ao seu redor contra vírus responsáveis por resfriado, gripe e COVID-19.

Fique em casa se não se sentir bem. Se você tiver febre, tosse e dificuldade em respirar, procure atendimento médico. Siga as instruções da sua autoridade sanitária nacional ou local, porque elas sempre terão as informações mais atualizadas sobre a situação em sua área.

Como colocar, usar, tirar e descartar uma máscara:

1. Lembre-se de que uma máscara deve ser usada apenas por profissionais de saúde, cuidadores e indivíduos com sintomas respiratórios, como febre e tosse.

2. Antes de tocar na máscara, limpe as mãos com um higienizador à base de álcool ou água e sabão

3. Pegue a máscara e verifique se está rasgada ou com buracos.

4. Oriente qual lado é o lado superior (onde está a tira de metal).

5. Assegure-se que o lado correto da máscara está voltado para fora (o lado colorido).

. Coloque a máscara no seu rosto. Aperte a tira de metal ou a borda rígida da máscara para que ela se adapte ao formato do seu nariz.

7. Puxe a parte inferior da máscara para que ela cubra sua boca e seu queixo.

8. Após o uso, retire a máscara; remova as presilhas elásticas por trás das orelhas, mantendo a máscara afastada do rosto e das roupas, para evitar tocar nas superfícies potencialmente contaminadas da máscara.

9. Descarte a máscara em uma lixeira fechada imediatamente após o uso.

10. Higienize as mãos depois de tocar ou descartar a máscara – use um higienizador de mãos à base de álcool ou, se estiverem visivelmente sujas, lave as mãos com água e sabão.

· Gestantes não parecem ter maior risco de adquirir a infecção que a população geral

· TODAS as gestantes devem realizar as medidas de prevenção: lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool gel, não compartilhar objetos pessoais, manter os ambientes ventilados e evitar aglomerações.

· Devem entrar em contato com seu obstetra de confiança (inicialmente por telefone) caso apresente sintomas como febre, tosse, dificuldade para respirar, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, dores musculares. O profissional irá orientar se há necessidade ou não de buscar o pronto atendimento hospitalar nesses casos. Se você estiver gripada, NÃO VÁ ao consultório sem ligar previamente para o profissional de saúde.

· O curso da infecção do novo Coronavírus não tem se mostrado mais grave em gestantes. A grande maioria dos casos desta infecção evolui de forma leve (80 a 85%), devendo iniciar as medidas de suporte que consistem em repouso, hidratação via oral, medicação para alívio dos sintomas, conforme cada caso – e isolamento em domicílio

· Gestantes devem buscar atendimento hospitalar para investigação, diagnóstico, isolamento e tratamento apenas em caso de piora do quadro clínico ou sinais de alerta de complicações: febre persistente, queda do estado geral, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos) ou sinais respiratórios como dor pleurítica (dor no peito), fadiga (cansaço) e dispneia (falta de ar).

Caso a gestante se configure como caso suspeito ou provável de contaminação pelo novo Coronavírus, seguindo as medidas determinadas pelo Ministério da Saúde, o médico deverá atestar sua condição (Infecção por coronavírus de localização não especificada) indicar seu isolamento domiciliar ou hospitalar por até 14 dias. Nesse caso, por determinação legal[1], será considerado falta justificada ao serviço público ou à atividade laboral privada o período de ausência decorrente do isolamento.

O único estudo clínico disponível sobre transmissão vertical do novo coronavírus, realizado com seis pacientes com pneumonia causada pelo SARS-Cov-2, pesquisou o vírus em amostras de líquido amniótico, sangue do cordão umbilical, leite materno e swab da orofaringe do recém-nascido, demonstrando não haver presença do vírus nessas secreções.


Considera-se prudente manter a recomendação de doação de leite humano somente por lactantes(mamães) saudáveis e sem contato domiciliar com pessoa com síndrome gripal, cabendo aos Bancos de Leite Humano (BLH) e Postos de Coleta de Leite Humano (PCLH) orientar as candidatas à doação, bem como adotar medidas de avaliação sobre risco de síndrome gripal, conforme protocolos do Ministério da Saúde.

É contraindicada a doação por mulheres com sintomas compatíveis com síndrome gripal, infecção respiratória ou confirmação de caso de SARS-Cov-2. A contraindicação é estendida a mulheres contatos domiciliares de casos com síndrome gripal ou caso confirmado de SARS-Cov-2.

* Essas informações podem ser dinâmicas e podem ter alterações nos próximos meses.

Compartilhe
error: Content is protected !!
Abrir conversa
Fale direto com a secretária!
Powered by